Target Marketing: o que é e como o big data pode ajudar na conversão

O relatório publicado pela consultoria IDC mostra que, a cada dois anos, o número de dados produzidos pelo homem dobra: são mais de 2,5 quintilhões de bytes por dia.

Indústria 4.0, Risk Management e Customer Analytics são termos conhecidos de alguns dos usos do Big Data que geram mais competitividade às empresas de vários setores.

Além disso, segmentar seus públicos com mais acuidade, por meio de inúmeros dados complexos gerados por eles só é possível graças ao Data Mining do Big Data.

Este post mostrará os usos do Big Data em estratégias de Target Marketing com foco na segmentação dos públicos de um negócio e melhoria da experiência de compra.

Continue lendo, aprenda a traçar estratégias para atingir o público-alvo da sua empresa e garantir o aumento de vendas direcionadas!

O que é Target Marketing?

O Target Marketing não consiste somente na definição dos públicos-alvo de uma empresa, mas nas estratégias necessárias para que esse público seja impactado pela marca, com o objetivo de conversão em cliente.

Investir em Big Data é conhecer o comportamento de clientes em potencial, onde estão, o que procuram, como se comportam e prever suas tendências de consumo, oferecendo campanhas de marketing, serviços e produtos personalizados.

Por isso as ferramentas de Big Data garantem maior assertividade na conversão de prospects em leads, sendo a ferramenta perfeita para atingir os objetivos das estratégias de Target Marketing.

Como o Big Data ajuda na conversão?

Os dados fornecidos pelo Big Data possibilitam um maior conhecimento dos potenciais clientes que uma marca deseja atingir. Com isso, é possível falar de forma direcionada e personalizada, garantindo maior possibilidade de conversão.

Estratégias de Inbound marketing e compra de mídia programática programática são totalmente guiados por meio desses dados, que podem ser 1st Party Data, coletados pela empresa, ou comprados em uma Data Management Platform (DMP)

O mais importante é que com os dados fornecidos pelo Big Data é possível traçar campanhas e estratégias com segmentações específicas e alta frequência.

Quais os tipos de segmentação possíveis?

A pessoas geram dados a todo momento pela internet, em conteúdos, cliques, pesquisas, compras, wearable devices, smartphones e até com eletrodomésticos inteligentes.

Todos esses dados geram “rastros”, características que traçam perfis específicos de pessoas que por agrupamento formam vários tipos de segmentações e clusters.

Mostraremos 3 segmentações possíveis por meio dos dados fornecidos pelo Big Data.

Geográfica

A chamada geoaudience. É a segmentação dos públicos de acordo com a sua localização geográfica, garantindo garantir mais assertividade para campanhas em uma localidade específica, além de investimento direcionado para quem deve ser impactado e aumentará as vendas da empresa.

Demográfica

Essa segmentação pode levar em consideração vários fatores como gênero, estado civil, classe social e escolaridade.

Esse filtro pode garantir, por exemplo, que só um público que tenha renda suficiente para atender o tíquete médio do um produto seja impactado, ou que campanhas voltadas para um gênero não sejam exibidas para o outro.

A utilização de Business Intelligence para o cruzamento de várias dessas informações também podem gerar clusters e públicos muito específicos.

Outro exemplo: Caso uma empresa deseje impactar homens de 55 anos, casados, que morem em São Paulo e gastem 100 reais em cada compra na internet, é totalmente possível realizar essa segmentação, por meio de dados de audiência combinados.

Intenção de compra

O Big Data permite a análise preditiva, que estuda indicadores históricos para a geração da previsão de hábitos e padrões de consumo de clientes.

Isso permite a realização de uma segmentação baseada em comportamentos e histórico de compras já realizadas, criando uma hipótese sobre suas aquisições futuras.

Por exemplo, se uma concessionária sabe que um cliente troca de carro a cada ano, em um mesmo período, ela poderá oferecer a melhor oferta em um determinado modelo quando o cliente estiver mais propenso a adquirir tal produto. 

Por isso, para falar com a Buyer Persona correta no estágio da Buyer´s Journey adequado e garantir altos níveis de conversão, é necessário que as estratégias de Target Marketing, sejam de promoção, nutrição de leads ou CRM, sejam por meio do Big Data.

Você acha que o Target Marketing é o que sua empresa precisa? Então entre em contato conosco e saiba mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer receber conteúdos exclusivos para alavancar seu negócio?

Quer receber conteúdos exclusivos para alavancar seu negócio?

Preencha o campo abaixo e receba direto em seu e-mail novidades do mercado para sair na frente dos seus concorrentes. 

Seu cadastro foi realizado com sucesso!